sábado, 19 de março de 2011

Memória

Um cheiro, um lugar, uma temperatura, uma luz, uma música. Qualquer estímulo é passível de abrir portas de recordações encadeadas.

Uns 15 segundos iniciais de uma música que me levam direitinho para Florença, para um comboio entre Riomaggiore e Génova.

Um princípio de noite de Primavera, sem frio, sem pressa, a caminho da biblioteca, na academia a que sempre pertenci mas a que, de certa forma, pertenço hoje ainda mais do que nunca. E, daqui, tantos episódios, recordações em massa de épocas irrepetíveis. Mas não deixa de estar lá tudo: o princípio dos dias longos, o frio que se sente cada vez menos, as noites a puxar pelo Enterro, a confortável sensação de estar em casa.

Se ao menos tudo o resto tivesse este halo de sonho...

Restam as memórias que se vão (re)fazendo realidade.