quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Analepse

Enquadrando: toda esta história dos ginásios não começou propriamente com a descida da Rua das Carmelitas. Isso foi uma espécie de gota. O que me fez realmente pensar que tinha de me mexer mais foi aquela coisa das danças tradicionais, ao ver que me cansava mais depressa do que a maioria e que o meu tempo de recuperação parecia mais prolongado. Tiveram, pois, o dom de me pôr a mexer um bocadinho mais e de me fazer assumir que havia algo a ser mudado no meu estilo de vida - algo que, sabia eu já há muito tempo, haveria de acontecer mais cedo ou mais tarde.
Ontem, depois de voltar de mais uma aula (sempre às quartas à noite), percebi que este já se tornou num vício que me ajuda a ganhar lanço para o que resta da semana. É uma forma de libertar energia e um contexto em que posso ser extrovertido quase livremente. E dei por mim a pensar que tudo isto surgiu de um mero acaso. Descobri este tipo de danças no Andanças do ano passado, onde fui apenas para poder estar com um sorriso do tamanho do Mundo e, no dia, nem fiquei assim tão impressionado. Por coincidência, algum tempo depois falaram-me destas aulas e eu aceitei experimentar. Por lá ando até hoje. Mais curioso é que, até Agosto passado, nem sequer gostava de dançar, o que significa que anda por aí alguém (que até lê este blog, sem deixar comentários) que é responsável por ter mudado uma parte de mim para melhor. E, por mim, tudo bem.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Mais gin-aaaahhhh-sios

Para concluir a novela, digo apenas que ontem fui agradavelmente surpreendido pelas condições oferecidas pelo S. [NDR: de Solinca, óbvio... =P]. Ainda para mais, fui atendido por uma antiga colega de curso, que me fez uma visita personalizada ao ginásio e sempre deu um ar menos 'fato e gravata' ao momento. Volte-face e vencedor anunciado.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Esclarecimento

Não gosto do Futebol Clube do Porto. Nunca na vida gostei nem me parece provável algum dia vir a gostar. Não torço pelo referido clube em qualquer circunstância ou modalidade e penso que esta é uma liberdade que me assiste.
Amigos e familiares sabem que sou assim, do mesmo modo que eu sei que vários deles sentem o mesmo pelo Benfica, com mais ou menos variações de pormenor. Juntos sempre encontramos formas de contornar estes potenciais atritos e, de uma forma geral, tirando a ocasional excepção, estou satisfeito com os resultados. Mexer na ferida nunca foi boa ideia. E continuo a acreditar que não brincar com o fogo é a melhor forma de uma pessoa não se queimar.
E, por favor, não entendam isto mal; não estou chateado com ninguém nem quero visar alguém em particular com estas palavras. É apenas um mero esclarecimento sobre mim.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Gin-aaahhhh-sios

Depois do triste episódio aqui relatado no último post - e de ter deixado a meio uma divertida dança israelo-arménia porque as pernas "ah, isto é giro, mas vamos ali descansar e já voltamos" -, achei por bem investigar as condições oferecidas pelos ginásios.
Vai daí, abri o Chrome, procurei no Google, reuni os contactos e mandei três mails. O S. (nome fictício) não respondeu; o HP e o FC disseram "sabe, nós só temos esta direcção de e-mail porque é giro ter uma direcção de e-mail no nosso site e, convenhamos, hoje em dia toda a gente tem um site com uma direcção de e-mail; sobre a informação que solicitou, vai ter mesmo que passar por cá porque, apesar de termos perdido tempo a escrever este e-mail, não podemos pôr uns números com uns símbolos que parecem vagamente um E".
E então, não me restou opção. O S. ficou para último (sempre ouvi dizer que amor com amor se paga) e comecei pelo FC. Não houve visita guiada, simplesmente me escreveram os preços numa folha de papel. Nada que se pudesse fazer por e-mail, como é óbvio, isto está num nível completamente diferente.
Já no HP insistiram em mostrar o ginásio, fui dar uma vista de olhos e explicaram as condições, propondo que me inscrevesse sem compromisso.
- Mas olhe que eu ainda não vi as hipóteses todas! - disse eu, muito honestamente.
Ainda assim, lá fiz a vontade à senhora de terras de Vera Cruz e deixei uma pré-inscrição, mas tenho para mim que aquela mensalidade é exagerada para aquilo que penso usufruir e, portanto, lá irei dizer que mudei de ideias.
Falta-me o S.. Mas acho que opção está tomada, fico pelo FC.
No fim de contas, até estou contente por isto tudo ter acontecido. Era bem possível que não tivesse a mesma opinião se tivesse olhado com estes mesmos olhos para aqueles mesmíssimos preços num reles e-mail. Sinto-me iluminado.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Barbatanas

Ontem desci a rua das Carmelitas a correr. É uma rua que, no processo de descer, digamos que desce consideravelmente bem. Ainda tentei arranjar uma foto, mas não vi nada que lhe faça justiça - ou, sendo completamente honesto, não encontrei nenhuma.
E o que têm vocês a ver com isso? Pois... nada. Só queria partilhar que me sinto um privilegiado por poder estar em contacto tão directo com músculos que tantas vezes são injustamente ignorados. Falo daqueles que nos permitem fazer o movimento de levantar as pontas dos pés e que impedem que os mesmos batam no chão como tábuas enquanto tentamos caminhar. Neste caso, os meus estão um pouco disfuncionais, pelo que, ontem, só me faltava grasnar.
Quá?
Um qualquer!

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Confissão

Hoje é, seguramente, um dos dias mais calmos da história do trabalho. Sim, de toda a história, desde que alguém se lembrou que "ah, e tal, temos de trabalhar para sermos alguém".
E pronto, era isto.