segunda-feira, 28 de março de 2005

Dúvida existencial


Porque é que, nas escadas rolantes, o apoio das mãos nunca anda à mesma velocidade dos degraus?

sexta-feira, 11 de março de 2005

Já vejo comboios em todo o lado!



Eu saio de casa e pimba!, meto-me num comboio! Eu saio do comboio e, para não me armar em fino, tenho logo de me meter noutro - OK, tecnicamente é o metro, mas aquilo é um comboio com crise de identidade! Ao fim da tarde, a mesma coisa: metro, comboio.
Eu já não posso ouvir aquela treta da "próxima paragem... next stop" nem o "atenção senhores passageiros: para vossa segurança, pedimos o favor de não forçarem as portas". O pior de tudo é que este último, normalmente, nunca vem a propósito de nada! Eu bem olho à minha volta, à procura de um qualquer chavalo com a mochila entalada na porta e que, por não se conseguir soltar, tenha de vir do Porto até aqui a contar os postes de betão ("tão, tão" - se não conhecem a anedota, também não vou contá-la...). Mas nada! Nunca uma pobre alma ficou entalada naqueles bocados de lata para, ao menos, o pessoal ter com que se entreter durante a viagem.
Mas o mais grave de tudo é que, quando chego ao fim da semana, dou por mim a já quase saber de cor os horários dos alfas, intercidades, interurbanos, urbanos e comboios de mercadorias que passam em Campanhã entre as 19h50 e as 20h36! E a pensar: «mas afinal porque raio o comboio que vai para Penafiel tem o dobro do tamanho do que vem para Braga?!?».
Eu acredito piamente que este é o primeiro passo para o internamento numa clínica psiquiátrica. A seguir vem a fase de ir no comboio a dizer o nome da próxima estação - em voz alta e repetidamente -, com os olhos esbugalhados e a olhar para o infinito. Isso vai ser um bocado chato, até porque eu coro quando falo em público, mas pronto...

[Espaço dedicado a umas fotos ranhosas tiradas com o telemóvel na estação, mas que ficou em branco porque ainda não consegui passar as ditas cujas para o computador}

Esta semana está a ser particularmente fértil para esta paranóia que começa a instalar-se. Não vou passar um único dia sem sentar o meu real traseiro num comboio e temo que isso possa acelerar exponencialmente o processo de degradação mental que atravesso. Espero, pelo menos, que o facto de mudar de destino, no sábado, sirva de atenuante. Vou fazer uma visita à capital, pelo que é garantido que não vai haver destes posts chatos até à próxima segunda...
Vou visitar a minha avó - que, valentemente, aos 91 anos, está a recuperar de uma operação - e aproveito para ir "rezar" um bocadito à "Catedral". :) Pronto, OK, o trocadilho foi infeliz e com estas coisas não se brinca, mas já que estou por lá e estou, acho que não há mal nenhum em ir à bola. Até porque quero aproveitar os bilhetes de estudante enquanto duram - ou, pelo menos, enquanto eu duro como estudante...
Portanto sábado, aí estou eu no comboio das 7:25 da manhã, qual herói, prontinho a zarpar. E domingo? Domingo há mais comboio, há que voltar para cima que na segunda há estágio e tenho de ir no das 13h49 para o Porto.
Acho que, depois de Maio e antes de 2013, se me obrigarem a entrar num raio de um comboio, sou gajo para deitar alguém à linha! Isto leva um indivíduo à insanidade mental...



PS - E pensar que este era para ser um post sobre as quase 4000 visitas a este blog...

quarta-feira, 2 de março de 2005

Dia 1


Pois é, começou hoje, sem avisar, e vai prolongar-se por mais 91 dias. 91 dias de comboio, metro e muita paciência...
Hmmm, deixa cá ver quando é a próxima folga...